Irracionalidade contemporânea

Quando se começa a fazer uso da razão, não se dá início com a dúvida, mas bem se acredita em tudo que está a nossa volta, a tudo que se nos diz. E é tratada por ingenuidade esta atitude. Porém é certo que agora devemos estar de olhos abertos e desconfiar até mesmo da nossa própria lógica. Não devemos perder a esperança de que apesar disso a verdade sempre existiu.

Ninguém quer ou gosta de ser enganado e o sentimento é horrível. Pois é algo do qual não podemos nos defender. É como cair ou pisar em falso. Fica aquela sensação ridícula que te envergonha de ter sido envergonhado. Poderia colapsar o pensamento humano? Porque ainda existe alguns pouco que dizem ter a verdade? Isso da verdade ainda existe?

Quem negará que é natural pensar no que se pensa? Um juízo será sempre feito no final e é impossível livrar-nos da condena de ter que filtrar tudo o que nos passa pela mente. Verdade ou ilusão, pensar exige regras e aqueles que dizem que não se contradizem.

Apesar da angustia idealista de pensar que o mundo perfeito nunca existirá. Peço ao menos que os princípios se sustentem. Que a sinceridade não seja tida por tola e a verdade por mentira. Porque assim é impossível viver. E não existirá mundo, nem ideal nem real que sobreviverá um total aniquilamento da mente. Nem mesmo mundos possíveis poderão ser pensados sem possibilidades.

Agora digo o que eu vejo. Vejo conceitos abstratos quem cumprem seu papel no anonimato e confundem mentes outrora certas. Quem nos dará à luz da razão? Se uma vez que bebemos o entorpecente relativístico nada se fixa e tudo se move. Sinceridade intelectual vos exorto! Não envenenai nossas mentes. A destruição do mundo começou pela cabeça do homem e o homem se consome nesta irracionalidade contemporânea.

Positivo não? Acho pouco provável que a condena não se faça, pois em um mundo de cegos quem vê é louco. Quantas a queixas possíveis. Apenas me diga de forma ordenada. Do contrário não respondo, porque desde meu velho mundo não compreendo este novo.

Previous post
Las plantitas de Dios
Next post
Te amo...

No Comment

Deja un comentario

Back
SHARE

Irracionalidade contemporânea