Doce liberdade

O que nos aparta da santidade? Muitas vezes nossa incapacidade para chegar a uma meta é um obstáculo que nós mesmos colocamos. Algo interno que nos faz sentir vergonha da necessidade. Reconhecer que tenho um problema já é um passo difícil, quanto mais, pedir ajuda. Devemos ser como crianças, Elas veem sua incapacidade e corre em busca de ajuda.

Aos 14 anos de idade, gostava de ir  ao campo e estar com minha familia. Um passatempo que tínhamos, era subir numa mangueira que estava atrás da casa onde passávamos o fim de semana. Simplesmente pela alegría de subir e estar sentado na firme rama de uma árvore.

Minha irmã gêmea, me acompanhava e subíamos sem dificuldade, porém nossa irmãzinha de 5 anos, ficava em baixo, aos pés da árvore olhando para o alto. Queria também estar em nosso meio, tanto pela alegría que demonstrávamos quanto pelo desejo de alcançar o que nós, irmãos maiores, tínhamos alcançado.

Eu estava feliz, havia esperado o passar da vida para fazer certas coisas sozinho, e quando na idade de dela, via outros meninos grandes que realizavam façanhas por serem mais velhos, me conformava com esperar o meu momento.

Humildade é virtude auxiliadora

Minha irmãzinha, longe de esperar, foi correndo falar com nosso Pai. Ele a tomou nos braços e colocou na árvore. Quanta felicidade não via em seu rosto. Minha pequena irmã conseguiu o que queria. Pediu ajuda quando se sentiu impotente, longe de se conformar com sua carência, buscou ajuda.

Minha irmã gêmea e eu dizíamos, “não é justo! Ela não chegou sozinha, mas com ajuda”. Porém a pequena, estava feliz pelo fato de ter conseguido o que queria. Ela não se importava com o modo, se foi ajudada ou não. Sua consciência estava tranquila, pois sabia que não tinha feito nada de mal. Ela estava feliz!

Por que depois, quando somos adultos, queremos conseguir as coisas por nós mesmos? Quantas vezes será necessário quebrar a cara, para aprender que nem tudo podemos? A simplicidade das crianças tem muito a nos ensinar.

Quando olhamos os grandes santos no céu, podemos dizer ao Pai. Levanta-me com vosso braço e me ponha ao lado dos santos, que com méritos alcançaram o que só com sua ajuda eu posso alcançar. Não me importa o que vão pensar os outros, quero ser feliz como eles, quero ser santo e estar ao Teu lado.

Previous post
"Dios con nosotros" (Mt 1,23)
Next post
Your Vocation is Like a Seed… Sort of…

No Comment

Deja un comentario

Back
SHARE

Doce liberdade