Amor, a melhor apologética

Grande tesouro é possuir um coração. Olhamos o mundo a nossa volta e não nos damos conta de que tudo parece estar esperando nossa chegada, um momento antes deste que esta vivendo agora não existe e o momento depois já ficou gravado em sua memória. Você e eu somos capazes de olhar para o interior e tomar uma decisão que ninguém mas pode tomar. Amar é um ato anterior a todos os atos, é uma decisão de olhar a vida com os olhos de Deus.

Perdemos a sensibilidade para as coisas espirituais e achamos que isso é consequência da realidade material, o materialismo. Ou seja que pensam que Deus não existe e por isso o homem é capaz de substituir por outra coisa. Mas em realidade ele o faz por engano, como um cego que começa a escutar melhor por não ver. Este cego poderia escrever teorias dizendo que nunca escutamos bem, porque vemos muito. Podemos duvidar de que um dia existiu a visão de coisas lindas. De que a história daqueles que tinham olhos na verdade é uma fábula, e que sempre fomos cegos.

O que aconteceu com os homens que viram a Deus?  Acaso não são também história o que escreveram? A virtude e a santidade hoje são para poucos não porque as pessoas são menos capazes de serem santas e virtuosas, mas porque se esqueceram que podem sé-las.

Se não aprendemos a abrir nosso coração por meio do amor, não existe razão nem prova científica que provará a grandeza de sermos humanos. Mesmo provando a existência de Deus, isso não seria suficiente para fazer-nos amar. Tudo o que construíssemos daí por diante seria efémero e não teria nenhum valor porque se não damos valor ao que “amamos” nunca amaremos o que tem valor.

Mas como podemos volta a recordar a nossa natureza? Que o Amor nos criou e por Ele amamos. Porque dentre todas as criaturas o ser humano é a única a perguntar-se sobre si? Não serão perguntas existenciais que abrirão nossos corações. Mas o próprio desejo de amar, a fome que nos permite viver. Escute seu coração e não seja insensível a ele, de-lhe uma chance de amar a Quem o amou primeiro.

Previous post
¿El Dios de las desgracias?
Next post
Not to Mention the Stars

No Comment

Leave a reply

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

*

*

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Back
SHARE

Amor, a melhor apologética